Imprimir

Economia pelo Fator de Potência

Escrito por Iago Lopes. Publicado em Artigos e Notícias

Economia pelo fator de potência

Está na moda falar sobre a economia que as lâmpadas feitas de LEDs trazem em relação às incandescentes, fluorescentes, entre outras, por ter uma potência menor e realizar a mesma luminosidade. Porém, o que não é muito comentado, é o seu alto fator de potência, melhorando ainda mais o rendimento em relação à fluorescente. Mas afinal, o que é fator de potência?

Por definição, fator de potência é o cosseno do ângulo de defasagem entre a corrente e a tensão em um determinado circuito elétrico, que também é o mesmo ângulo entre a potência ativa (watt) e a potência aparente (VA) consumidas nesse circuito.

Quando esse ângulo é diferente de 0º, aparece uma terceira potência, que é a potência reativa (Var), que é uma energia que não é utilizada para realizar trabalho ou, no caso das lâmpadas, para iluminar.

Portanto, para verificar o real consumo de energia de um produto não se deve olhar o seu consumo em Watts, mas em VA (volt-ampère).

Muitos fabricantes só falam o consumo de seus produtos em Watts, pelo fato de em muitas instalações o medidor de energia (“relógio”) não conseguir ler a potência reativa. Assim, a conta é cobrada somente pela energia ativa, geralmente em kWh.

Como as concessionárias estão trocando os medidores de energia magnético pelo eletrônico, que consegue ler todos os tipos de potência, brevemente conseguirão cobrar pelo consumo total em VA.

Em instalações muito grandes, como shopping centers e galpões, o consumo de energia defasada chega ser tão significativo que pode ocasionar uma multa por reativo.

Com a instalação de lâmpadas com alto fator de potência esse reativo vai diminuir, diminuindo as chances de se enquadrar fora do fator de potência permitido, que é de no mínimo 0,92.

Veja como é a característica das potências dos tipos de lâmpadas mais comuns no comércio e nas residências:

Tabela FP

Como observado na tabela acima, a economia feita pela lâmpada de LED (potência ativa medida em watts) em relação à fluorescente é em torno de 40%, mas o consumo real mostra que sua economia chega na verdade a 67%.

Livros!
Loja!
Patrocínio!